domingo, 8 de dezembro de 2013

Tipos de Documentação


Muito embora as inovações dos Annales não tenham culminado na década de 1930, os mesmos propiciaram que estudos historiográficos se renovassem conforme as circunstâncias do contexto histórico. Dessa maneira, com o advento da História Cultural (1970), ou ainda com a História Política Renovada (1980), o arcabouço documental dos historiadores se ampliou ao ponto de imagens, utensílios domésticos, objetos cotidianos, fotografias, estelas funerárias, panfletos populares.

1- Documentação Textual Escrita: ainda que a documentação textual escrita tenha sido criticada, principalmente aquelas relacionadas com os segmentos sociais heterogêneos, a renovação nos estudos historiográficos. Enquanto pesquisados devemos ter algumas ressalvas para com os pontos. Não podemos analisar uma documentação escrita do passado com os "olhos do presente".

2- Documentação Imagética: A análise imagética de uma única obra, por vezes, não gera resultados significativos, ainda que seja para endossar/ opor as informações da documentação textual escrita. O pesquisador deve se valer de um corpus imagético mínimo que retrate cenas semelhantes, para que daí consiga materialidade em suas considerações. Outro fator essencial é a identificação do contexto social em que o mesmo foi produzido, pois assim algumas das informações presentes podem ser justificadas através da relação entre a imagem e o período histórico. Este tipo de documento deve ser catalogado, considerando: lugar, datação, artefato, técnica,artista, conteúdo e referência.

3- Documentação Arqueológica: A documentação arqueológica não deve ser pensada, como um elemento desvinculado para a área de História. O campo nos possibilita conhecer as práticas cotidianas dos indivíduos, elementos que fogem da encomenda imagética ou das produções literárias. Mediante o estudo arqueológico temos acesso as informações culturais das cidades, as modificações religiosas, as práticas sexuais e as relações de gêneros, devido a diversidade documental que podemos verificar no campo arqueológico. Para se estudar esse tipo o corpus deve conter: Local e Período de Produção, Tipo de artefato ou sitio arqueológico, As dimensões do objeto, lugar que foi encontrado, a relevância social de tal elemento, a recorrência do objeto de estudo na sociedade e as referências sobre o tema.

4- Documentação Epigráfica: A epígrafe é o saber que se dedica ao estudo das inscrições materiais duros (inscrições fúnebres, honoríficas, defixiores, domésticas, caráter descontínuo e votivas).

Nenhum comentário:

Postar um comentário